Instituto da Visão de Ribeirão Preto

Transplante de Córnea

O laser permite um planejamento milimétrico do transplante, através de um mapeamento detalhado dos pontos da córnea onde serão feitas as incisões para a sua retirada.

Para muitos pacientes, o transplante representa a única chance de voltar a enxergar. De alguns anos para cá, a tecnologia tem contribuído para que o procedimento seja realizado com menos risco. O laser vem proporcionando cirurgias mais precisas e planejadas para os olhos que necessitam de novas córneas O laser permite um planejamento milimétrico do transplante, através de um mapeamento detalhado dos pontos da córnea onde serão feitas as incisões para a sua retirada.

No transplante de córnea convencional, tanto a córnea doadora quanto a córnea do olho do paciente (córnea receptora) são cortadas manualmente com lâminas de metal. Já o laser faz esse processo, moldando ambas as córneas, aumentando aderência entre elas proporcionando maior resistência a traumas. Além disso, a tecnologia permite que o cirurgião corte a córnea de formas diferentes da convencional, com isso, o encaixe da nova córnea é se torna mais preciso, o que minimiza o risco de rejeição.


A córnea é uma estrutura transparente localizada na parte anterior do olho. Ela permite que as imagens do meio externo penetrem no olho e sejam captadas pela retina. Para o bom funcionamento da córnea, é necessário que a mesma tenha transparência satisfatória e curvatura adequada.

Olho e a localização da córnea(C)


O transplante de córnea é indicado quando a transparência ou a curvatura da córnea estejam alteradas, não permitindo uma boa visão.

Ele consiste na substituição da córnea alterada por uma córnea doadora que mantenha boas condições.Atualmente temos utilizado preferencialmente a anestesia local. Em situações especiais pode ser utilizada anestesia geral.


A técnica mais utilizada atualmente para o transplante penetrante de córnea é realizada com 16 pontos separados. Os pontos são retirados após três meses de cirurgia e não são retirados todos de uma só vez, isto é realizado por etapas de acordo com o astigmatismo induzido e avaliado através de topografia corneana computadorizada.


Córnea transplantada

A cirurgia apresenta alta porcentagem de sucesso. Normalmente varia entre 80 e 90% de sucesso em situações não complicadas (de acordo com estatísticas mundiais). Em casos complicados, a taxa de sucesso pode diminuir conforme a complexidade e da patologia ocular.

Os principais riscos de um transplante de córnea são: falência primária e rejeição. Na falência primária, a córnea doada não apresenta bom funcionamento. Isto é percebido no primeiro mês pós-cirurgia. Neste caso, deve ser feita outra cirurgia. Na rejeição a córnea apresenta bom funcionamento inicial e, algum período após, o paciente pode apresentar diminuição da visão e vermelhidão ocular. É importante o diagnóstico e o tratamento precoce para a recuperação. O período crítico para rejeição é no primeiro ano. Porém, o paciente pode apresentar rejeição até quando viver. Grande parte das rejeições pode ser tratada com sucesso se forem diagnosticadas no início. Existe a possibilidade de se realizar outro transplante após a rejeição.

Após a cirurgia, deverá usar colírios de corticóide e antibiótico. Em casos especiais pode ser necessário anti-hipertensivo ocular e medicação oral. Deve-se evitar esforço físico no período de cicatrização e dormir do lado contra lateral ao olho operado.

As córneas doadas passam por um processo de avaliação quanto à sua condição óptica, sendo utilizadas somente córneas que apresentem boa perspectiva para o sucesso do transplante. Mesmo assim, em alguns casos a córnea pode não funcionar adequadamente. São também realizados exames sorológicos nos doadores para descartar possíveis patologias infecciosas ( HIV, Hepatite B e C).

Geralmente os resultados visuais após transplante de córnea são muito satisfatórios. A visão do paciente depende também da integridade de outras estruturas oculares. Após o transplante, pode levar meses para a visão atingir seu potencial, porém após algumas semanas o paciente já poderá perceber melhora.

O paciente deve ser submetido à uma avaliação oftalmológica completa.Quando existe uma patologia corneana ,que necessite de transplante, descartando outras possibilidades terapêuticas, o paciente é inscrito.O tempo entre a inscrição e a cirurgia é em média de 1 a 2 meses.





Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados à Instituto da Visão de Ribeirão Preto. Desenvolvido por: TECLABS